ATRONOCOM MATRIX

ADRACHA 2002/22-8347-39357.12 -00211

NOVA ERA

Quando a Internet foi desenvolvida nas décadas de 60 e 70, iniciou-se um processo que mudaria nossas vidas para sempre. Originalmente, a rede foi desenvolvida para a comunicação interna dos militares assim como para o diálogo entre cientistas, com o objetivo de transmitir informações secretas e permitir formas simples de troca de mensagens digitais em grupos de trabalho menores.

Na década de 80, o desenvolvimento começou em direção ao que se tornou a World Wide Web no início dos anos 90. Nesta época encontra-se os primórdios da Google, Alibaba e Amazon. Logo depois, o mundo on-line entrou na sua primeira grande crise digital com a “bolha ponto com”.
Clouds e a Internet das Coisas (IOT) representam o terceiro e quarto estágios de desenvolvimento neste mundo de codificação binária e marcaram o início de uma nova era.

Já em 1996, o PGP criou a base para os primeiros projetos de criptografia comercialmente usados e desenvolveu soluções para pagamento on-line, tais como “DigitCash”, “CyberCash” e “First Virtual”. Estes foram os antecessores do atual bem-sucedido conceito do PayPal. Doze anos depois, o Bitcoin iniciou sua marcha triunfal como a primeira criptomoeda na história da Internet.

Em outubro daquele ano, um whitepaper explicando a tecnologia e funcionalidade dessa moeda digital foi publicada sob o pseudônimo de Satoshi Nakamoto. Este livro apresentava uma lista de ligações lógicas engenhosamente combinadas assim como conquistas técnicas em parte já existentes dos anos 90, que não conseguiram se afirmar até então por várias razões . Em 2011, os primeiros experimentos foram iniciados pelos membros da equipe da Atronocom a fim de construir casos de uso para bancos e instituições financeiras.

Hoje, a ADRACHA é a nossa solução para os desafios de uma versão moderna e atualizada de um Blockchain, mesmo que este ledger é muito mais que um simples Blockchain.




NESTE VÍDEO EDUARDO FORNECE PARA A AUDIÊNCIA DETALHES DO BLOCKCHAIN ADRACHA E DO FUNCIONAMENTO DO SISTEMA!

POR FAVOR, ENTENDA QUE CORTAMOS AS INFORMAÇÕES SENSÍVEIS DO VÍDEO
PARA PROTEGER NOSSO SISTEMA CONTRA QUALQUER TIPO DE CIBERATAQUES!




ADRACHA 2002/22-8347-39357.12 -00211

ADRACHA

ATRONOCOM DPOS DYNAMIC RADIUS CYCLIC-HASHING ALGORITHM

A ADRACHA é a base para uma economia em tempo real que dá a milhões de empresas e redes a capacidade de interagir sem problemas de escalabilidade e de conectar estes micromundos a uma nova ordem na rede!

classified
cross-app



SHA-3 2002/22-8347-39357.12 -00211

SHA-3

Secure Hash Algorithm 3

O SHA-3 é o membro mais recente da família de padrões de Algoritmos de Hash Seguro, publicado pelo NIST em 5 de agosto de 2015. Embora faça parte da mesma série de padrões, SHA-3 é internamente diferente da estrutura similar a MD5 de SHA-1 e SHA-2.
O SHA-3 é um subgrupo da família primitiva criptográfica mais amplo Keccak projetado por Guido Bertoni, Joan Daemen, Michaël Peeters, e Gilles Van Assche, com base no RadioGatún. Os autores do Keccak propuseram outros usos para a função, não (ainda) padronizada pelo NIST, incluindo uma cifre de fluxo, um sistema de criptografia autenticado, um esquema de hash “árvore” para um hash mais rápido em certas arquiteturas, e cifras Keyak e Ketje.

cross-app sha-256




DAPP 2002/22-8347-39357.12 -00211

PROCESSO

A segurança do sistema é um dos principais componentes da rede ATRONOCOM. Para a segurança da MOEDA ATROM, são usadas criptografia de curva elíptica e hashing criptográfico. Os pares de chaves criptograficamente seguros são gerados usando criptografia de curva elíptica e consistem de chaves privadas e públicas. Durante a criação do bloco, os delegados adicionam um número de transação fixo ao Bloco como uma carga e são assinados pelo delegado.

A assinatura é feita com a chave secreta do delegado e o header é hashed com SHA-256. Os nós na rede usam Chamadas de Procedimento Remoto (RPC) e eventos para comunicar a transmissão do bloco e da transação. As RPCs e eventos também são transmitidos como objetos JSON com campos adicionais. Para processar o objeto transmitido e para transmitir de forma eficaz o objeto JSON, a rede também usa o Web Socket.

Para o modo de comunicação com outras redes, o sistema de header é usado para identificar os nós e obter informações básicas sobre o nó. Os blocos são gerados descentralizados no sistema e enviados de volta para outros nós. Para a propagação de blocos, a criação do bloco seleciona um grupo de nós na rede e envia a transação arbitrariamente. Aqueles que receberam o bloco irão anexar o bloco ao seu ledger e enviá-lo para outros nós aleatórios.

Todas as transações dos nós são coletadas primeiro em um pool de transações e servem como um pool de armazenamento até serem adicionadas ao bloco. A transação deve ser movida e transferida de um nó para todos os outros nós para que ela possa ser incluída em blocos e, a fila de transmissão para as transações atua criando um certo número de transações do pool de transações e verificando essas transações.




DAPP 2002/22-8347-39357.12 -00211

UM PASSO À FRENTE

TRANSAÇÕES POR MINUTO

Um dos objetivos declarados do movimento de criptografia era de encurtar o tempo de espera para transações. Infelizmente, este problema não foi satisfatoriamente resolvido pelas grandes criptomoedas. Com a ADRACHA, um novo caminho foi percorrido e que, devido ao blockchain privado individual operando no ledger principal, permite lidar com um volume de vários milhões de transações ao mesmo tempo e torna esse ledger infinitamente escalável.

ATROM
0.027 sec
XRP
3 sec
ETH
2 min
DASH
15 min
LTC
17 min
BCH
58 min
BTC
66 min



DAPP 2002/22-8347-39357.12 -00211

SEMPRE CONECTADO

KYC CRYPTO ID PROTOCOL

Chaves individuais e pessoais são criadas para estes dados para permitir que os clientes acessem os aplicativos e os usem de maneira privada. Os dados em si não podem ser acessados ou visualizados por terceiros e são a base para o Blockchain do usuário que opera no Masterledger para fins de contabilidade e comunicação segura.

cross-app




DNA 2002/22-8347-39357.12 -00211

DNA

BLOCO GÊNESIS DOS USUÁRIOS NO ECOSSISTEMA

A identificação privada individual do usuário está combinada com a assinatura da chave privada e individual da Fundação, a base do Bloco Gênesis criado no ledger privado do usuário. Toda e qualquer transação é a partir deste ponto em diante registrada e não pode ser mudada ou alterada de nenhuma forma e sob nenhuma circunstância.

cross-app




RSA

RSA é um sistema criptográfico para criptografia de chave pública e é amplamente usado para proteger dados confidenciais, especialmente ao ser enviado por uma rede insegura como a Internet. O RSA foi descrito pela primeira vez em 1977 por Ron Rivest, Adi Shamir e Leonard Adleman do Instituto de Tecnologia de Massachusetts.
A criptografia de chave pública, também conhecida como criptografia assimétrica, usa duas chaves diferentes, mas matematicamente ligadas, uma pública e uma privada. A chave pública pode ser compartilhada com todos, enquanto que a chave privada deve ser mantida em segredo. Na criptografia RSA, ambas as chaves pública e privada podem criptografar uma mensagem; a chave oposta àquela usada para encriptar uma mensagem é usada para decriptá-la. Esse atributo é um dos motivos pelos quais o RSA se tornou o algoritmo assimétrico mais amplamente usado: Ele fornece um método de assegurar a confidencialidade, integridade, autenticidade, e a não idoneidade das comunicações eletrônicas e armazenamento de dados.

O RSA deriva sua segurança da dificuldade de fatorar números inteiros grandes que são o produto de dois números primos grandes. Multiplicar estes dois números é fácil, mas determinar os números primos originais do total, que está se fatorando, é considerado inviável devido ao tempo que levaria mesmo usando os supercomputadores de hoje. O algoritmo RSA envolve quatro etapas: geração de chaves, distribuição de chaves, encriptação, e decriptação. O algoritmo de geração de chave pública e privada é a parte mais complexa da criptografia RSA e está além do escopo deste post. Você pode encontrar um exemplo no Tech Target.

cross-app rsa




DAPP 2002/22-8347-39357.12 -00211

SEMPRE CONECTADO

DPOS – COMPRAMOS O SEU PODER DE PROCESSAMENTO

ADRACHA, O ECOSSISTEMA DA ATRONOCOM usa- A “Prova de Participação Delegada” (Delegated Proof of Stake – DPoS) como o protocolo de consenso, pelo qual a função “Staking” é fornecida para dispositivos móveis e smartphones. A rede Blockchain é gerada por delegados eleitos pelos stakeholders. Cada smartphone representa um nó e tem plena participação no incentivo do processo de aluguel em proporção ao seu poder de processamento vendido para a Fundação.

Stakeholders podem votar nos delegados, e o peso de cada voto depende do nível de participação do stakeholder. A votação do Stakeholder é adicionada na rede como uma “transação de votação”. Um delegado pode registrar uma transação delegada e gerar, validar aquela transação.

O delegado gerado com sucesso e aceito pelo bloco do sistema ganha a recompensa e a recompensa é compartilhada entre os stakeholders para proteger a rede. Em outras palavras, nós compramos o poder de processamento do seu nó na proporção e peso das Moedas envolvidas.

cross-app




CDN

REDE DE FORNECIMENTO DE CONTEÚDO

Uma rede de fornecimento de conteúdo (CDN – Content Delivery Network) se refere a um grupo de servidores distribuídos geograficamente que trabalham juntos para fornecer uma entrega rápida de conteúdo da Internet. Uma CDN permite transferir recursos necessários para carregar conteúdo da Internet, incluindo páginas HTML, arquivos javascript, folhas de estilo, imagens, e vídeos muito rapidamente. Os serviços de CDN estão se tornando mais populares, e hoje a maioria do tráfego da web é atendido por CDNs, incluindo o tráfego de sites importantes como Facebook, Netflix, e Amazon.

Quais os benefícios de usar uma CDN?
Os benefícios mais importantes podem ser divididos em 4 componentes:

– Melhorar os tempos de carregamento do site. Ao distribuir o conteúdo mais próximo dos visitantes do site usando um servidor CDN próximo, usuários carregam as páginas mais rapidamente, o que aumenta o número de visitantes que permanecem neste site.

– Reduzir os custos de largura de banda. Os custos de consumo de largura de banda para hospedagem de sites são uma despesa primária para websites. As CDNs reduzem a quantidade de dados, diminuindo custos para os proprietários de sites.

– Aumentar a disponibilidade de conteúdo e redundância. Grandes quantidades de falhas de tráfego ou hardware pode interromper a função normal do website.

– Melhorar a segurança do site. Uma CDN pode melhorar a segurança fornecendo mitigação de DDoS, melhorias no certificado de segurança, e outras otimizações.

Uma CDN configurada corretamente pode também ajudar a proteger websites contra alguns ataques mal-intencionados comuns, como ataques de Negação de Serviço Distribuído (DDOS – Distributed Denial of Service). Essa é a principal razão pela qual estamos usando a CDN na plataforma ATRONOCOM.